Procedimento Estético

Uso do carvão ativado na odontologia – é seguro?

carvão ativado na odontologia

É visível uma incansável busca pela perfeição estética atualmente, e entre esses quesitos procurados, está o sorriso perfeito. Visto isso, um dos procedimentos mais pedidos nos consultórios de odontologia é o clareamento dental. Observando essa tendência, a indústria lançou o carvão ativado como a solução para um sorriso mais branco, de maneira fácil, rápida e acessível.

Entretanto, será que o carvão ativado realmente clareia os dentes de maneira segura? Esse texto explica tudo sobre esse produto, para que você esclareça de vez essa dúvida, confira!

Afinal, o que é o carvão ativado? 

O carvão ativado é um material constituído de carbono puro com porosidade desenvolvida e alta capacidade de adsorção, gerado a partir da queima de materiais orgânicos em fornos com altas temperaturas. 

Atualmente, a utilização mais comum é na área médica como antídoto para overdose ou envenenamento agudo. Também é usado no meio industrial, no tratamento de água e no setor alimentício, no qual atua na purificação de artigos variados.

Uso do carvão ativado na odontologia

O uso  do  carvão  ativado na  odontologia foi  disseminado desde a Grécia Antiga, pelos pensamentos de Hipócrates. Apesar de antigo, a comercialização de produtos odontológicos com carvão ativado é comum e  promete alterar a coloração dos dentes.

Contudo, ainda não há testes, estudos ou comprovações em publicações na literatura específica suficientes que comprovam a eficácia do carvão ativado como agente clareador, por tanto não deve ser recomendado por profissionais da área.  

Consequências do uso do carvão ativado nos dentes

Apesar da escassez de informação, alguns consumidores são influenciados por propagandas com promessas de um sorriso mais claro em poucos dias. Mas qual a consequência da utilização desses produtos?

Por ter uma característica corrosiva, o carvão ativado desgasta as partículas aderidas ao esmalte dos dentes. Isto posto, devido ao desgaste por abrasão remover as manchas extrínsecas, alguns consumidores ficam com a sensação de que os dentes clarearam após o uso. Contudo, concomitantemente, pode desencadear hipersensibilidade dentinária, surgimento de recessão gengival, alteração na rugosidade da superfície, e acumulo de pigmentos orais, que podem modificar a coloração dental.

Segundo o Conselho Regional de Odontologia, secção Pernambuco, um estudo realizado na Malásia, observou a utilização  do carvão ativado como forma de higienização dentária, resultou em graus distintos de desgaste na face externa dos dentes. 

Do mesmo modo, cremes dentais que possuem como componentes o carvão ativado, em sua maioria, não possuem a quantidade de flúor necessária para proteger os dentes contra a cárie, que é, de acordo com ministério da saúde, de, no mínimo, 1000 ppm de flúor. Com isso, o uso desses cremes dentais pode aumentar, não somente a sensibilidade dos dentes, mas também as chances do surgimento de cáries. Aliado a isso, o Conselho de Odontologia do Pará alerta acerca da falta de registro Grau 2 em produtos com carvão ativado, já que são necessários em dentifrícios clareadores, conforme previsto no Anexo II da resolução RDC 211/2005.

Embora, o carvão pode acumular-se nos tecidos periodontais, aumentando a suscetibilidade de patologias bucais, bolsas e doenças de cunho periodontal.

Ou seja, o uso indiscriminado de dentífricos com carvão ativado, além de não possuírem efeitos clareadores comprovados, ainda afeta a saúde bucal.  

Como dentistas podem orientar seus pacientes

Por fim, devido à escassez de evidência científica segura, conclui-se que, na odontologia, o uso do carvão ativado deve ser evitado. Porém, a mídia vem sugestionando o uso de produtos não comprovados com o único objetivo de lucrar.  Logo, é imprescindível que dentistas informem seus pacientes, seja no consultório ou nas redes sociais, acerca do uso indiscriminado de produtos que podem resultar em deletérios na homeostase dos usuários. 

A divulgação dos produtos odontológicos nas mídias sociais, com influenciadores apresentando-os aos seus seguidores, sem citar os efeitos reais, influencia o uso sem orientação profissional. Dessa forma, é imprescindível que dentistas também utilizem suas redes sociais ajudando os consumidores a fazerem escolhas melhores. Por exemplo, podem orientá-los a verificarem os ingredientes de cremes dentais, certificando que inclua flúor, cálcio e fosfato, importantes para fortalecimento e proteção do esmalte dos dentes.

Ademais, com a crescente busca por clareadores, é importante que dentistas frisem que para um clareamento seguro são necessários diversos fatores. É possível divulgar em suas mídias sociais os procedimentos que a clínica odontológica oferece, seja ele caseiro ou em consultório, conscientizando e atraindo pacientes. 

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.