Doenças odontológicas

Saiba tudo sobre maxilar travado

Maxilar travado

A mandíbula e o maxilar são fundamentais para movimentos básicos e cotidianos de nosso organismo. Sendo assim, se torna muito comum o surgimento de diversas sintomatologias e dores na parte inferior da boca dos pacientes nas consultas, acometendo justamente essa região, acarretando, por exemplo, no maxilar travado. Esse acometimento é um dos mais comumente encontradas em consultas odontológicas.

Dessa forma, é importante avaliar a sintomatologia e fazer uma anamnese correta do paciente, avaliando cada caso. Entretanto, como você profissional deve proceder no tratamento? Qual a etiologia da dor e do desconforto que acometem o paciente? Como realizar o tratamento desses males adequadamente?

Nós do Codental viemos sanar e esclarecer essas dúvidas, para que dessa forma, você dentista possa entender a fisiopatologia e a etiologia desses sintomas, e aplicar as maneiras corretas de tratamento. Acompanhe o artigo abaixo e tire duas dúvidas!

Travamento do maxilar

O maxilar travado está relacionado a casos assintomáticos ou por vezes sintomáticos, acompanhados por: dores, desconfortos, incômodos e até mesmos estalos. Essa sintomatologia por vezes pode ser desesperadora e desconfortante, dessa forma, os indivíduos acometidos, acabam tendo o impulso de forçar a mandíbula o máximo possível para obter alívio imediato nessas situações. Contudo, essa prática pode ser muito prejudicial e pode gerar sérios riscos as estruturas bucais inferiores (como osteoartrose e dores na cervical).

Dessa forma, é fundamental que num primeiro momento, o indivíduo mantenha a calma, não faça movimentos bruscos nem force a mandíbula para nenhuma direção. Assim que o acometimento se tornar insustentável, o dentista ou médico deve ser consultado, a fim de tratar de maneira adequada esse acometimento. Dessa maneira, tanto a dor, quanto problemas futuros são descartados.

Além de ser sintomático ou assintomático, o tratamento mandibular pode acometer pacientes que estejam com a boca fechada ou semi-aberta, e pode dificultar a tentativa de abrir a boca ou movimentar a mandíbula.

Etiologia do maxilar travado

A origem do travamento mandibular pode advir de vários processos, entre eles: um trisco de origem muscular (como uma anquilose ou uma artro fibrose), ou quando disco articular (uma espécie de menisco entre o osso e a articulação), se desloca de sua posição e se transforma num obstáculo para o movimento da articulação, funcionando como uma espécie de trava.

Ademais, outra possibilidade pode advir de uma distensão ou ruptura no ligamento que sustenta o disco articular no lugar. Isso faz com que haja uma dor forte, lancinante e localizada na região, mas que em pouco tempo tende a amenizar-se. Além de outros fatores que podem estar relacionados a tenções musculares na região, que geram o travamento da mesma.

Ademais, a possibilidade mais comum, e por vezes mais recorrente do travamento mandibular, é a chamada disfunção temporo-mandibular (DTM), que gera grande número de acometimentos.

Fisiopatologia da disfunção temporo-mandibular (DTM)

A articulação temporo-mandibular é a região que liga o osso temporal a mandíbula, sendo de grande importância para sustentação das estruturas bucais inferiores. Ela é formada por músculos, tendões, cartilagens e ligamentos que atuam durante nossas movimentações mandibulares diárias (ao comer, falar, bocejar). Entretanto, o excesso de atividades dessa região, pode gerar traumas, inflamações, infecções, malformações e até processos autoimunes que afetam não só a estrutura, como o funcionamento dessa região.

Os acometimentos sintomatológicos deletérios dessa região articular, recebem o nome de disfunção temporo-mandibular. Várias são as disfunções dessa região que não geram somente o travamento mandibular, como também gera outros processos, sendo, portanto, um acometimento mais complexo que pode também envolver:

  • Bruxismo;
  • Dificuldades para dormir;
  • Zumbido, tontura, dores nos olhos e/ou ouvidos;
  • Incômodos e dores na maxila e no pescoço;
  • Assimetria da boca ao falar ou mastigar.

Dicas para o travamento mandibular

Nos casos de travamento mandibular, é fundamental primeiramente manter a calma, tal processo pode ajudar no alívio dos sintomas e relaxamento da musculatura mandibular. Além disso, se faz indicado também a introdução de compressas de água quente no local para alívio da dor e do quadro inflamatório. Essa aplicação, entretanto, deve ser feita por no máximo 45 minutos.

Após essas etapas, movimentos leves ou circulares de maneira lenta, podem ser feitos na mandíbula, para que assim, a mandíbula volte para o seu local inicial de forma simétrica. Caso haja segurança, esses procedimentos são indicados. No entanto, se há insegurança na realização dos mesmos, ou a dor e os sintomas apresentados são muito fortes, a visita a um profissional é indicada.

Tratamento do travamento mandibular

Diferentes métodos e formas de tratamento podem ser empregados pelo dentista conforme as diferentes etiologias e sintomatologias encontradas nos pacientes. Dessa forma, a visita ao consultório de um profissional nesse caso é fundamental.

Ao visitar o consultório do dentista, o mesmo indicará exames como radiografias, para avaliar a saúde interna das estruturas bucais inferiores, bem como empregará corretamente os métodos, técnicas e procedimentos adequados para tratamento dessa condição.

Como prevenir o travamento do maxilar

Alguns hábitos simples podem ser adotados a fim de evitar o infortúnio da mandíbula travada, bem como possíveis dores que vem junto a ela. Esses hábitos são:

  • Praticar alongamentos e movimentação consciente da musculatura da face;
  • Realização de massagens na área do maxilar com a finalidade de reduzir a tensão muscular;
  • Sessões de acupuntura ou quiropraxia;
  • Evitar estresse e movimentações bruscas da face, evitando assim a contração desnecessária dos músculos da face;
  • Utilização de protetores noturnos.

Além de evitar o travamento do maxilar, a adoção desses hábitos saudáveis evitam as disfunções que acometem a articulação temporo-mandibular, e outros acometimentos em todo corpo, incluindo os dentes.

Conclusão

Sendo assim, a adoção de hábitos saudáveis, a higiene bucal diária, visitas recorrentes ao consultório odontológico e o cuidado e atenção com a musculatura da face, são mecanismos fundamentais para evitar o travamento do maxilar e também outras patologias.

Dessa forma, além de ter uma vida e rotina mais saudáveis, os indivíduos evitam infortúnios associados a sua saúde bucal. Os dentistas devem explanar essas recomendações aos pacientes, a fim de que os mesmos, sejam advertidos e possuam hábitos mais saudáveis, evitando o tratamento mandibular.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.