Tecnologia na Odontologia

Impressora 3D na Odontologia: saiba tudo sobre essa tecnologia

impressora 3d na odontologia

A tecnologia está lado a lado com a saúde, proporcionando evoluir o tratamento dos pacientes. Os profissionais apreciam o uso da impressora 3D na odontologia no que diz respeito à maior rapidez para a fabricação de peças, além da alta precisão relacionada aos métodos.

Papel da impressão 3D na Odontologia

O uso da impressora 3D na odontologia permite a fabricação de equipamentos sob medida para os pacientes. Um exemplo disso são os pacientes com tumores na região Buco Maxilo Facial, que, ao se submeterem à cirurgia, têm maior chance de sucesso quando utilizam protótipos sob medida. 

Dessa forma preparamos esse texto com tudo que você precisa sobre essa tecnologia, que está cada vez mais comum na odontologia.

Método CAD/CAM e impressão 3D

O CAD/CAM (Computer Aided Design/Computer Aided Manufacturing) é um método já muito utilizado no dia a dia da área odontológica. Inicia-se o processo pelo preparo dental e o escaneamento. Depois disso, ocorre efetivamente a etapa CAD, que consiste na formação, por um software, de uma peça. Logo, tem-se o objetivo de otimizar o tempo gasto com os métodos e ainda prover tratamentos com durabilidade, facilidade de execução e estética aceitável. 

A conversão do modelo virtual obtido pelo CAD é feita por dois métodos. A fresagem (CAM) é considerada um método subtrativo, dado que consiste em um material que deve ser polido até que se chegue ao seu desejado formato. Dessa forma, esse método tem como vantagem o investimento, além de permitir a fabricação de peças de vários materiais, como MDF, alumínio, madeira e plástico. No entanto, indica-se o método para obtenção de objetos simples e com acabamento superficial, o que pode ser considerado uma desvantagem.

 Já a impressão 3D é a forma aditiva, caracterizada pela adição de material sólido, líquido ou em pó camada por camada de modo a moldar o objeto alvo. Esse método possibilita uma maior facilidade para obter objetos com geometrias elaboradas e preencher espaços internos. Logo, os profissionais da odontologia utilizam amplamente a impressão 3D.

Principais tipos de impressão 3D usadas na odontologia

O início de todas as impressões 3D ocorrem da mesma maneira; todas utilizam o software CAD para realizar a modelagem virtual da peça. No entanto, para a fabricação do produto no campo da odontologia, pode-se obter uma impressão 3D por diferentes métodos. A escolha deve ser feita a depender da finalidade do produto, que pode demandar maior mobilidade, resistência ou durabilidade. Isso acontece já que os métodos se diferenciam pela possibilidade de materiais utilizados.

Estereolitografia (SLA)

É um modelo de impressora 3D utilizado na odontologia onde a construção do objeto é feita por camadas de um determinado material, que pode ser cerâmica, resina ou metal. O equipamento conta com um laser que fotopolimeriza a resina líquida, permitindo a deposição das camadas necessárias. Ao final,  faz-se um banho em solvente para eliminar a resina que não foi curada. Finalmente, submete-se o objeto a um forno ultravioleta para finalizar seu processo de cura. Tal modelo tem como vantagem a fácil duplicação da estrutura e a produção em diferentes materiais.

Este método de impressora 3D é um dos mais utilizados no campo da odontologia, já que consegue se obter um produto com melhor acabamento, de fácil manuseio, com alta resistência utilizando um custo razoável. Ao se comparar a estereolitografia com a técnica convencional, em um modelo de resina epóxica de uma mandíbula, percebeu-se que a aplicação pelo primeiro método foi mais eficaz do que o tradicional.

Impressão por Jato de Tinta

Nesse método de obtenção, a impressora goteja tinta em um substrato, lançada por um canal a fim de formar as camadas do molde. Para garantir a correta colocação das camadas, é necessário que a tinta seja devidamente solidificada. Isso pode ser feito por luz UV, secagem, transferência de calor ou realização de uma reação química.

Sinterização Seletiva a Laser (SLS)

Esse processo utiliza polímeros em pó para construir as camadas do objeto com o auxílio de um raio laser que funde as partículas de modo seletivo. Primeiramente, um rolo nivela a plataforma onde o objeto é fabricado. Depois disso, esta é aquecida até a temperatura de fusão do pó, formando a primeira camada. Feito isso, as camadas adicionais se unem entre si por ligação química utilizando o calor. Sendo assim, a vantagem da SLS em relação a SLA se dá no tocante ao custo da resina utilizada, a qual é mais barata. A SLS é muito utilizada na odontologia para a produção de estabilizadores oclusais sob medida para cirurgias ortognáticas. Além disso, o método pode ser feito por diversos materiais, como metal com polímeros aglutinados, poliamida e elastômeros.

Sinterização Direta de Metal a Laser (DMLS)

O método DMLS começa com a deposição de pó na plataforma, seguido de um varrimento pelo laser de modo a formar a primeira camada do objeto. Desse modo, é possível fazer a fusão do material com a placa ou com o pó sinterizado.

Fusão por Feixe de Elétrons Seletivo (EBM)

As peças produzidas por este método são constituídas por um pó de metal, fundido em camadas através de um feixe de elétrons em alto vácuo que se direciona por meio de um campo magnético. Uma importante vantagem deste processo é a possibilidade de se produzir peças feitas com materiais pesados e densos. Dessa forma, a impressora 3D por EBM na odontologia está relacionado, entre outros, à cirurgia maxilofacial, já que o procedimento demanda peças porosas feitas com titânio.

Modelagem por Fusão e Deposição (FDM)

Esse modelo é o mais utilizado depois do SLA, sendo constituído por um sistema de construção de peças feito a partir da extrusão de um material termoplástico. O modelo apresenta como vantagem a produção de peças em diversas cores de maneira ágil e acessível. No entanto, o “efeito escada” obtido na produção é considerado uma desvantagem, mas que pode ser minimizado pelo uso de camadas menores.

Procedimentos e uso da impressora 3D na odontologia

Se utiliza a impressora 3D em diferentes casos. O que difere a impressão 3D na odontologia,  é o tipo de material utilizado, sendo geralmente utilizado porcelana, policarbonato, safira e a resina para impressora 3D.

Os principais procedimentos que utilizam a impressão 3D são:

  • Restaurações: a impressão 3D é utilizada, nesse caso, para confeccionar pequenas próteses parciais, em dentes que sofreram uma grande perda da sua estrutura e precisam ser recompostos por blocos ou coroas, por exemplo.
  • Próteses: nesse caso, a tecnologia é empregada na confecção de próteses com maior qualidade e riqueza em detalhes, proporcionando naturalidade a elas.
  • Cirurgias buco-maxilo-faciais: possibilita planejar melhor o procedimento cirúrgico por meio de biomodelos. Dessa forma, é possível estudar melhor a anatomia do paciente antes do procedimento, observando detalhes que não são expostos em exames. Além disso, também são impressas próteses que por ventura possam ser utilizas pelo paciente
  • Confecção de implantes: também são próteses que necessitam de funcionalidade e boa estética. Dessa maneira, a impressão 3D é uma ótima aliada, proporcionando próteses com materiais mais duráveis e bem próximas dos dentes naturais.
  • Fabricação de modelos e alinhadores: Com o recurso da impressão 3D nesses casos, fica mais fácil planejar cada etapa do tratamento, tendo maior previsibilidade dos resultados. Ainda, a tecnologia possibilita maior discrição e conforto na etapa de alinhamento dos dentes.

Preço da impressora 3D

O preço a ser pago por uma impressora 3D varia conforme o modelo desejado. O modelo Anycubic Photon realiza impressões pelo método SLA e apresentava um custo médio de R$3000,00, já a resina utilizada custa em média R$700,00.

A impressora 3D no dia a dia do dentista é fundamental para permitir a produção de estruturas anatomicamente exatas e consoante a necessidade de cada caso. Porém, seu uso é relativamente novo para a sociedade, no entanto, graças aos avanços tecnológicos, está se tornando cada vez mais acessível aos dentistas. Dessa maneira, é fundamental que o profissional da odontologia esteja sempre atento às novidades da área para se manter atualizado e garantir sempre o melhor atendimento ao seu paciente.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.