Doenças odontológicas

Herpangina: tudo que você precisa saber

Herpangina

Herpangina é uma infecção comum entre os pacientes, que gera lesões dolorosas no fundo da garganta, ocorrendo com maior frequência entre crianças de 3 e 10 anos. É uma doença geralmente confundida com outras de mesma sintomatologia, devendo o dentista se atualizar para poder identificar tal condição. Confira!

O que é herpangina?

A herpangina é uma doença causada por enterovírus ou vírus da Herpes simplex, e se caracteriza por inflamação e feridas dolorosas na boca e na garganta. Dessa forma, é uma condição que costuma causar muita dor e desconforto no paciente, principalmente em crianças, comprometendo a saúde bucal.

Geralmente, após dois do início da doença, até 20 pápulas cinzentas de 1 a 2 mm de diâmetro se desenvolvem e se tornam vesículas com aréola eritematosa. Dessa forma, após cerca de 24 horas essas vesículas se tornam ulceras rasas, causando bastante desconforto.

Herpangina é o mesmo que estomatite?

Apesar dessas duas doenças serem causadas pelo enterovírus, e apresentarem sintomas semelhantes como febre e perda de apetite, não são a mesma doença. A principal diferença entre as duas está na localização das lesões. Dessa forma, enquanto a Herpangina provoca lesões no palato mole, amígdalas e garganta, a estomatite pode gerar lesões na parte mais a frente da boca.

Sintomas da herpangina

Os sintomas da herpangina podem variar, se confundindo com outras patologias, entretanto, algumas características são observadas com maior frequência, dentre elas:

  • Bolhas na garganta e boca: se mostrando como um dos sinais mais distintos da herpangina, se caracterizam por pequenas bolhas ou vesículas que se desenvolvem na boca e na garganta. Sendo assim, essas bolhas são geralmente vermelhas, podendo ser dolorosas, o que prejudica a alimentação e a deglutição.
  • Febre: variando entre alta e moderada, é um sintoma comum da doença, com temperaturas entre 38°C a 39°C, podendo geral mal-estar e fadiga.
  • Dor de garganta: esse é um sintoma que pode se apresentar de maneira intensa, torando a deglutição desconfortável. Por isso, esse sintoma costuma ser o mais incomodo da doença.
  • Feridas ao redor da boca: além das feridas de boca e garganta, a herpangina também pode apresentar pequenas feridas e úlceras nas bordas dos lábios, no palato mole e na área das amígdalas.
  • Outros sintomas: sintomas como dores de cabeça, náuseas, vômitos e dor abdominal também podem se manifestar durante a doença.

Vale ressalvar que a febre é uma resposta do sistema imunológico a infecção, apesar de leve a moderada. Ainda, as vesículas que surgem se rompem em 2 a 3 dias, deixando ulceras que podem aumentar. 

Herpangina é perigoso?

A herpangina se caracteriza por ser uma doença totalmente benigna. Sendo assim, as complicações são raras e ocorrem quase que exclusivamente quando a causa se dá pelo enterovírus A71. Portanto, caso ocorram complicações podem incluir rombencefalite, paralisia flácida e meningite asséptica.

Entretanto, a herpangina geralmente seu curso autolimitado, com duração dos sintomas entre 7 a 10 dias, podendo variar de paciente para paciente.

Tratamento

O tratamento da herpangina envolve geralmente o alívio dos sintomas e melhora do sistema imunológico. Portanto, como não é possível eliminar o vírus por meio de medicamentos, o tratamento envolve dar alívio ao paciente até que as lesões cicatrizem. Dessa forma, as medidas mais comuns a serem adotadas são:

Repouso e hidratação

Beber bastante líquido e descantar é essencial para que o paciente se recupere e evite a desidratação.

Alimentos macios e frios

Alimentos gelados e macios, como sorvetes, iogurtes e sopas, podem ajudar na dor e irritação na garganta, além de alimentar o paciente que está com dificuldade de deglutição. Ainda, é importante orientá-lo a evitar alimentos picantes, ácidos ou duros, que podem resultar no agravamento das lesões na boca.

Medidas de higiene

É indispensável para evitar a propagação da infecção, efetuar a lavagem das mãos. Dessa forma, também se torna importante não compartilhar utensílios, copos ou toalhas com outras pessoas durante o período de infecção.

Uso de álcool em gel

Caso não seja viável efetuar a lavagem das mãos, orientar o paciente a desinfetar as mãos com álcool em gel, sendo este pelo menos 60% de álcool.

Enxaguantes bucais

O uso de enxaguantes bucais ou soluções salinas mornam auxiliam no alívio da dor e na higiene bucal. Dessa maneira, prescreva o produto que melhor se encaixa na situação do paciente.

Analgésicos, antipiréticos e antivirais

Medicamentos como paracetamol e ibuprofeno podem ser indicados para alívio das dores e redução da febre. Em casos que os pacientes apresentem complicações, orientar a busca de um médico para prescrição de um medicamento antiviral ou outro tratamento       específico. É imprescindível orientar o paciente sobre a necessidade de completar todo o curso do medicamento, mesmo se os sintomas melhorem antes do término.

Diagnóstico

O diagnóstico da Herpangina é geralmente baseado nos sintomas que o paciente apresenta, sendo necessário o conjunto entre os sintomas e avaliação clínica para confirmação. Sendo assim, o médico ou dentista realiza um exame físico da boca e da garganta, verificando a presença de bolhas, úlceras ou demais lesões características da doença.

Ainda, é possível efetuar algumas perguntas ao paciente, que facilite o diagnóstico, como os sintomas apresentados, sua duração e progressão, além do histórico médico. Vale ressaltar que em alguns casos pode ser necessário realizar um exame laboral, como exame de sangue ou teste viral, para possibilitar a confirmação do diagnóstico e descartar infecções semelhantes, como as geradas por estreptococos, por exemplo.

Prevenção

A prevenção dessa condição se dá evitando a transmissão do vírus causador. Dessa forma, algumas medidas devem ser tomadas para evitar o contágio, sendo elas:

  • Higienizar as mãos com sabão, antes de comer ou após o contato com doentes;
  • Evitar o contato com pessoas infectadas;
  • Isolar o paciente acometido;
  • Efetuar medidas de controle e prevenção em ambientes coletivos, como creche e escolas;
  • Educar e conscientizar sobre a doença.

Concluindo, é muito importante conscientizar os pacientes sobre a doença e as medidas de profilaxia, além de orientar o devido tratamento para controle da doença. Lembrando que apesar de a maioria dos diagnósticos de Herpangina serem médicos, o dentista também é um profissional da saúde capacitado para realizar tal diagnóstico e orientar o correto tratamento.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.