Tratamentos odontológicos

Exostose maxilar: o que é, causas e tratamento

exostose maxilar

Exostose maxilar são crescimentos ósseos benignos de origem não conhecida, localizados na parte interna da boca (mandíbula ou maxila) e podem interferir em diversos aspectos como mastigação, fala e até mesmo na estética. 

Nesse artigo você entenderá sobre os principais aspectos que envolvem essa patologia.

O que é exostose maxilar

A exostose maxilar são protuberâncias que surgem, em maior parte das vezes, na maxila, porém, podem surgir também na mandíbula do indivíduo. Isto posto, sua denominação irá depender da região em que se encontra. Entretanto, esse crescimento ósseo benigno é de causa desconhecida, contendo estudos que direcionam para fatores hereditários, genéticos, nutricionais e outros. Ainda assim, essas protuberâncias são assintomáticas e acometem geralmente os adultos. 

A presença de pequena quantidade de massa óssea é uma característica da exostose maxilar. Elas surgem normalmente nos dois lados, em casos mais esporádicos  podem acometer a um único lado. Também existem casos em que essas protuberâncias acometem diversos locais e em abundância, o que é conhecido como exostoses múltiplas.

As exostoses não causam dor e podem crescer de tamanho com o passar do tempo. Outro fato interessante, é que para alguns autores, a exostose maxilar é mais comum em pessoas do sexo masculino, já outros afirmam que a maioria dos casos são no sexo feminino. Essa divergência entre os pesquisadores acerca do assunto, pode-se dar, por conta de poucos estudos definitivos acerca do assunto.

Diagnóstico

O diagnóstico da exostose maxilar se dá por meio de exames clínicos e imagiológicos. Sendo assim, a investigação é super importante, pois, apesar de a exostose maxilar ser uma patologia benigna e de características aparentes, os sintomas precisam ser investigados a fundo, para que ela não seja confundida com outras patologias, como câncer e outras doenças.

Tratamento da exostose maxilar

Geralmente não é necessário tratamento ou intervenção cirúrgica para o controle ou a remoção da exostose óssea, uma vez que podem acometer pequenas regiões e não interferir significativamente na vida do indivíduo.

Pacientes com incômodos, crescimento constante ou problemas estéticos, indica-se a cirurgia de remoção através de instrumentos manuais odontológicos.

Principais causas

Ainda não se tem um posicionamento final sobre as causas dessa patologia. Entretanto, grande parte da literatura atual demonstra ligação entre a doença e hereditariedade, fatores hormonais, ambientais, nutricionais e até mesmo de mastigação. Dessa forma, para se investigar as causas, são necessários estudos sobre esses fatores, mas em alguns casos, não se encontram relação específica com os fatores acima citados.

2 principais tipos de exostose maxilar

  1. Tórus palatino: é quando a exostose maxilar se concentra na superfície do palato, popularmente conhecido como céu da boca.
  2. Tórus mandibular: são aqueles que acometem a região dos dentes superiores ou na parte interna da gengiva (na mandíbula).

Para que o diagnóstico seja feito de forma correta é sempre importante ressaltar a necessidade de exame histopatológico, a fim de realizar uma análise microscópica de toda a patologia, somente assim é possível saber a intensidade, a evolução e até mesmo confirmar o diagnóstico.

Quer saber mais sobre patologias, tratamentos e tudo que envolve a odontologia? Continue nos acompanhando aqui em nosso blog e em nossas redes sociais.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.