Doenças odontológicas

Estomatite em bebê: entenda tudo sobre essa condição

estomatite em bebe

Dentistas especializados em pediatria podem se deparar com muitos casos de estomatite em bebê nas clínicas, de forma mais recorrente do que imaginam. Essa condição causa bastante desconforto no bebê e isso pode acabar deixando os responsáveis preocupados. 

Por isso, esse artigo objetiva esclarecer todas as dúvidas que cercam esse tema, destacando o que é a estomatite, quais as causas, principais sintomas, tratamentos e muito mais. 

Estomatite em bebê: o que é?

Estomatite em bebê

A estomatite se caracterizada por uma inflamação na mucosa oral, que causa aftas por toda região bucal, incluindo bochechas, gengivas, língua, amígdalas, até garganta e esôfago. Ela pode surgir logo depois do desmame dos bebês, mas é mais comum entre 1 e 5 anos. 

A fase de socialização dos bebês também está muito associada a estomatite, pois o bebê começa a enfrentar ambientes mais aglomerados e costuma colocar muitas coisas na boca e, como o sistema imunológico está em desenvolvimento, acaba ficando mais vulnerável. Sendo assim, uma das principais causas é o vírus da Herpes simplex (HSV-1).

Além do vírus da Herpes, a estomatite também pode ser causada pelo vírus Coxsackie, por traumas na boca, alergias a substâncias químicas ou alimentos.

Sintomas da estomatite em bebê

A identificação dos sinais e sintomas da estomatite em bebê é crucial para um diagnóstico preciso e um tratamento eficaz, pois devido ao sistema imunológico ainda imaturo, a infecção pode se espalhar rapidamente, agravando o quadro.

Além disso, o obstáculo da comunicação dos bebês também acaba sendo um fator agravante, uma vez que, diferentemente de um adolescente ou adulto, os bebês ainda não conseguem falar claramente sobre seus sintomas.

Dito isso, responsáveis, familiares e profissionais responsáveis pela saúde do bebê devem se atentar aos seguintes sintomas:

  • Dor ao comer: a estomatite pode causar dor ao engolir e, por isso, o bebê pode recusar se alimentar ou apresentar uma alimentação menos vigorosa que o normal.
  • Lesões na boca e mau hálito: feridas na mucosa oral, geralmente acompanhadas de vermelhidão ao redor, aftas e mau hálito são um dos sintomas mais comuns da estomatite.
  • Irritabilidade: o choro acaba sendo uma das formas de cominação do bebê. Logo, uma irritabilidade e choros anormais podem sinalizar que o bebê está com algum desconforto.
  • Aumento da salivação: devido à presença das lesões da boca, a salivação excessiva é uma das respostas imunológicas do corpo para tentar combater à infecção.
  • Febre: em alguns casos, principalmente por conta da causa primária, pode ocorrer uma elevação da temperatura corporal.

O que causa a estomatite em bebê?

A estomatite possui diversas causas primárias, mas, a principal causa é viral. Dentro desse contexto, o agente causador pode ser o vírus da Herpes Simplex ou o Coxsackie.

O primeiro, um vírus considerado comum nas crianças, ocorre pelo contato direto do bebê com uma pessoa infectada. Como culturalmente considera-se comum beijar os bebês, juntamente com o hábito comum de colocarem objetos na boca, a transmissão fica facilitada nessa idade. Nesse caso, denomina-se Estomatite Herpética.

Já o segundo causador, respectivamente, é o vírus da doença mão-pé-boca. O Coxsackie habita o sistema digestivo, mas também é uma das causas da estomatite, surgindo lesões na boca.

Além disso, apesar de as causas anteriores serem as mais comum, a estomatite em bebê também pode ser causada por:

  • alteração na alimentação
  • higienização bucal inadequada
  • histórico familiar da inflamação
  • infecção fúngica
  • alergias

Tratamento da estomatite em bebê:

Não há um tratamento específico da estomatite em bebês, sendo assim ele objetiva aliviar os sintomas e promover a cicatrização das lesões.

Além disso, devido às variadas causas primárias da doença, o tratamento também sofre variações. Logo, varia em casos de estomatite virais, como a causada pelo vírus HSV-1, fúngica, ou com outras causas primárias.

Sendo assim, se faz necessário um conjunto de estratégias, como:

  • Hidratação adequada: garantir que o bebê esteja bem hidratado é muito importante, pois a salivação aumentada do bebê pode propiciar uma desidratação.
  • Analgésicos e anti-inflamatórios: se a dor for intensa, o profissional pode considerar o uso de analgésicos infantis adequados à idade e peso do bebê. A melhora da dor ajudará também para que o bebê volte a se alimentar adequadamente.
  • Antivirais: em casos de estomatite causada por herpes vírus, indica-se o uso de antivirais específicos.
  • Alimentação adequada: É de extrema importância que o bebê se alimente para que o sistema imunológico consiga combater à infecção. Por isso, para ajudá-lo, recomenda-se que os responsáveis ofereçam, aos bebês maiores de 6 meses, alimentos suaves, frios e de fácil mastigação, evitando, assim, irritação adicional.
  • Higiene bucal delicada: importante pontuar aos pais a importância de uma limpeza adequada e cuidadosa da boca do bebê.

Estomatite em bebês é grave?

A estomatite em bebês geralmente não é considerada uma condição grave, mas o quadro pode agravar com alguns fatores, principalmente em infecções mais avançadas, mas também com a extensão das lesões e resposta individual do bebê ao quadro.

Nessa ótica, o vírus da Herpes, por exemplo, quando diagnosticado tardiamente, pode afetar a córnea e causar danos permanentes à visão do bebê. Portanto, a descoberta no início da infecção é fundamental para o não agravamento do quadro.

Além disso, é necessário entender e avaliar fatores de risco da criança, como histórico de infecções ou predisposição a alergias, pois também podem agravar o quadro.

A estomatite é contagiosa?

Sim, a estomatite pode ser contagiosa, especialmente se for causada por um vírus, como o herpes simplex (HSV-1) ou o vírus coxsackie. Esses vírus são altamente contagiosos e podem ser transmitidos de pessoa para pessoa por meio do contato direto com as lesões ou secreções orais de uma pessoa infectada.

Por isso, é necessário muito cuidado durante o tratamento do bebê, para não permitir o contágio de outras pessoas, principalmente crianças.

Quanto tempo dura a estomatite em bebê?

A duração da estomatite em bebê pode variar dependendo da causa subjacente, do tratamento administrado e da resposta individual de cada criança. Geralmente, a estomatite em bebê é autolimitada e tende a melhorar dentro de 1 a 2 semanas

No entanto, é importante lembrar que cada caso é único e alguns podem se resolver mais rapidamente, enquanto outros podem levar um pouco mais de tempo. 

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.