Tratamentos odontológicos

Cuidados após extração de dente: tudo que você precisa saber

Cuidados após extração de dente

Extrações dentárias são procedimentos clínicos comuns na rotina odontológica, que requerem certos cuidados após extração de dente.

Inúmeras condições suscitam a perda dentária, dentre elas, a cárie e doença periodontal concentram a maior causa de extrações. Posteriormente traumas dentários, razões protéticas, motivos ortodônticos e outras condições ocasionam as extrações dentárias.

Ao extrair um dente, cuidados são necessários com a finalidade da correta cicatrização dentária.

Para que a extração obtenha sucesso, apresentaremos hoje um guia completo acerca dos cuidados operatórios e pós-operatórios acerca das extrações dentárias.

Cuidados pré-operatórios da extração dentária

Certamente a fim de diminuir a probabilidade de ocasionais intercorrências pós-operatórias, é de suma importância que o dentista realize uma coleta de dados abrangente do paciente. O nome dado a este processo é anamnese.

Nela, o dentista reúne informações importantes para diminuir as chances de complicações pós-cirúrgicas, além de favorecer o planejamento individualizado conforme as condições de saúde de cada paciente.

Em primeiro lugar, as informações colhidas são:

  • História pregressa do paciente e familiares próximos;
  • Tratamentos médicos atuais;
  • Medicamentos administrados pelo paciente;
  • Condições relativas à cicatrização e sangramento gengival do paciente;
  • Tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas e consumo de outras drogas;
  • Alergias a medicamentos;
  • Intervenções cirúrgicas anteriores a extração.

Em segundo lugar é importante a realização de exames complementares para visualização da condição intra-óssea da região da extração dentária.

Para ser obtido sucesso na extração dentária, o planejamento é essencial para um adequado cuidado pós-operatório.

Cuidados operatórios

Da mesma forma que a conduta pré-operatória qualifica os cuidados no processo pós-operatório, o dentista deve atentar-se ao manejo clínico durante a extração dentária.

Portanto, ao elaborar um plano de tratamento personalizado para o paciente, com conhecimento adequado da anatomia da região operada e correta escolha de instrumentais e técnica cirúrgica, o dentista diminui as chances de:

  1. Lacerações de tecidos;
  2. Perfurações e comunicações buco sinusais;
  3. Abrasão e queimaduras em lábios e comissuras;
  4. Força indevida;
  5. Técnica operatória indevida.

Cuidados após extração de dente

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que a região óssea que abriga o dente, chamada alvéolo, é altamente vascularizada.

Portanto, em decorrência do sangramento gerado pelo rompimento do ligamento periodontal para remover o dente, deve-se realizar o controle deste.

Logo após a extração dentária, deve ser realizada a denominada manobra de Champret, cujo objetivo é embeber a gaze em soro fisiológico gelado, de modo a executar a homeostase.

Para que o resultado seja satisfatório, esta compressão deve ser realizada por aproximadamente 08 a 10 min, a fim de diminuir sangramentos e iniciar a cicatrização dos tecidos.

Como resultado do trabalho realizado antes e durante a extração dentária, os cuidados após extração de dente devem ser realizados com:

Uso de terapias medicamentosas

Indica-se o uso de anti-inflamatórios e antibióticos em certos casos, para atuar no processo de cicatrização, embora tenha executado adequado planejamento da extração dentária.

Os anti-inflamatórios agem na cascata inflamatória desencadeada pela divulsão dos tecidos, portanto, age diminuindo dor, calor, rubor, edema e perda de função.

Por outro lado, os antibióticos são indicados para diminuir a ação bacteriana em extrações mais complexas, assim como agente profilático antecedendo a extração, de modo a evitar complicações em pacientes com certas patologias pregressas.

Tomar as medicações prescritas durante os dias indicados e respeitando os horários descritos no receituário, a fim da cicatrização completa e adequada.

Compressas de gelo

Realizar compressas de gelo em até duas horas após a extração, auxilia minimizando desconfortos como dor e edema, além de diminuir os sangramentos decorrentes da extração.

Repouso

Deitar mantendo a cabeça mais elevada que o corpo depois da extração e manter repouso nas primeiras horas, auxilia na cicatrização dos tecidos e no controle de sangramentos.

Alimentação

Comer refeições frias, líquidas ou pastosas nas primeiras 24 horas após a extração reduz sangramentos e a possibilidade de perda dos pontos suturados. Posteriormente as 24 horas, estar atento para não consumir alimentos duros que exigem força mastigatória até cessar o sangramento.

Evite realizar movimentos de sucção, como, por exemplo, sugar líquidos do canudo, a fim de evitar sangramentos.

Bochechos

Realizar bochechos nas primeiras 12 horas após a extração pode causar sangramentos. Portanto, aguardar o tempo recomendado e bochechar antisséptico líquido 2 a 3 vezes ao dia após higienização.

Higienização

Manter a higiene normal, evitando a região operada, com uso de escova de dentes e dentifrício de costume.

Esforço físico

Não realizar atividades de esforço físico como abaixar a cabeça e pegar peso durante 72 horas após a extração, pois este esforço pode gerar sangramentos, ruptura de pontos e dor a região operada.

Evitar a exposição solar a fim de diminuir sangramentos e auxiliar na ação anti-inflamatória.

Quanto tempo para recuperação total?

Acompanhar o pós-operatório da extração dentária é de suma importância.

Após 07 dias, retiram-se os pontos cirúrgicos. Porém, a cicatrização total, dura até 02 anos após a extração dentária, onde observamos a acomodação dos tecidos moles e parte óssea.

A cicatrização consiste no processo de reparo de tecidos danificados e mensurar o tempo para requerer avaliação clínica e radiográfica.

Complicações durante o pós-operatório

Complicações e acidentes cirúrgicos podem comprometer o processo de cicatrização mesmo quando há um bom cuidado.

Ao observar características incomuns ao processo pós-operatório, orientar o paciente a entrar em contato com o dentista para avaliar as condições comprometidas e tratar a fim de melhora do quadro e boa cicatrização.

Existem relatos em bases de dados acerca de condições que, embora raras, levam o paciente a morte.

Intervir de modo rápido e efetivo, não altera a qualidade de vida do paciente e não lhe causa maiores prejuízos a sua saúde.

Abaixo listamos as complicações mais comuns após extrações dentárias:

  1. Alveolites;
  2. Sinusites causadas pela comunicação buco sinusal;
  3. Rompimento de artérias;
  4. Danos nervosos. Nos casos de extrações de terceiros molares, estes danos causam parestesias parciais ou totais nos nervos: alveolar inferior e lingual, podendo estes serem reversíveis ou não reversíveis;
  5. Deslocamentos dentários para espaços anatômicos adjacentes;
  6. Trismo, ou seja, limitação de abertura bucal;
  7. Deslocamento condilar e seus adjacentes;
  8. Infecções, como, por exemplo, endocardite bacteriana;
  9. Outras patologias sistêmicas.

Finalizamos ressaltando a importância do planejamento operatório nos cuidados pós-operatórios das extrações.

Possuir conhecimento sobre o histórico médico e odontológico do paciente, aliado a técnicas operatórias adequadas e correta orientação ao paciente, diminuem as complicações pós-operatórias ocorridas nos cuidados após extração de dente.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.