Materiais odontológicos

Clorexidina e seu uso na odontologia

Clorexidina

A escolha dos materiais a serem utilizados na área da saúde é sempre muito criteriosa, visto que precisamos prezar pela biossegurança e eficácia durante os tratamentos. A clorexidina tem sido largamente utilizada em odontologia, e por meio deste texto, vamos descrever tudo que você precisa saber a respeito desta substância.

Através do conhecimento de suas formas de administração e quais são as concentrações corretas, você, caro dentista, desenvolverá suas atividades com mais segurança, reduzindo os riscos de infecções locais e cruzadas, promovendo além de sua segurança a de seus pacientes e equipe odontológica.

Por que utilizar a Clorexidina?

A clorexidina é um antimicrobiano com poucos efeitos secundários, sendo assim apresenta bastante segurança tanto para o paciente quanto para o profissional.

Com pequenas concentrações é possível inibir o processo reprodutivo de microorganismos ou até mesmo eliminá-los, sendo praticamente isenta de toxicidade e efeitos corrosivos.

Assim como apresenta funções antifúngicas, bactericidas e bacteriostáticas, e atua tanto contra microrganismos gram-positivos quanto gram-negativos.

Qual a composição da Clorexidina?

Em odontologia é preconizado em forma de sal digluconato, proporcionando-se maior solubilidade à substância. Portanto, o nome correto é Digluconato de Clorexidina, porém rotineiramente chamamos apenas de clorexidina.

Concentrações mais utilizadas em odontologia

A escolha da concentração dependerá da finalidade, por exemplo:

  1. Bochechos: as soluções de 0,12% a 0,2%
  2. Irrigadores bucais: 0,02% a 0,5%
  3. Géis: gel a 0,5% e 1%
  4. Dentifrício: 0,6 ou 0,8%
  5. Desinfetante de superfícies: 0,3% a 4%

Quando utilizar a Clorexidina

Prevenção

O seu uso preventivo se faz em pacientes que possuem dificuldades ou limitações para a realização da higienização adequada como: deficientes físicos com limitações motoras, em deficientes mentais, em portadores de aparelhos ortodônticos, assim como, em pacientes geriátricos. Portanto, nestes casos, podem ser utilizados dentifrícios ou géis com clorexidina. Outra opção é embeber a escova ou gaze na solução 0,12% no momento da higienização.

Estudos afirmam que o efeito do produto consegue perdurar por mais de 12 semanas na boca.

Sendo assim, é importante estar atento ao tempo de uso e a relação custo benefício, em especial quando se trata de paciente que usam aparelhos ortodônticos, mais a frente falaremos a respeito de alguns efeitos colaterais.

Diminuição dos riscos de infecção cruzada

A biossegurança no seu consultório é uma das prioridades e a clorexidina pode ser uma ótima aliada.

Você pode utilizar a substância de inúmeras maneiras, por exemplo, o seu uso no processo de moldagem através da escolha de um alginato com possui a clorexidina incorporada.

Outra opção é no momento da espatulação do hidrocoloide acrescentar a clorexidina em uma concentração de 0,3%, assim como é possível também borrifar sobre o material utilizado após a moldagem.

Aerossol e a contaminação cruzada

Um dos grandes causadores de contaminação cruzada nos consultórios é o aerossol gerado pelos equipamentos, em especial a alta rotação, portanto o uso da solução de clorexidina com a água da cadeira ajuda a diminuir a quantidade de bactérias viáveis em aerossóis.

Indicada também para a diminuição de bacteremias pós-cirúrgicas. Para obter esse efeito antes dos procedimentos cirúrgicos ou periodontais, a orientação é o paciente fazer um bochecho com clorexidina 0,12% por 1 minuto, portanto isso também auxilia a diminuir o aerossol.

Este composto também se mostra eficiente na desinfecção de escovas de dente e de superfícies.

Posso fazer a limpeza de superfícies com a Clorexidina?

Sim, porém as substâncias mais utilizadas para limpeza de superfícies por questão de custo benefício são a água sanitária e o álcool 70%.

A concentração em soluções antissépticas para superfície com clorexidina varia entre 0,3% a 4%.

Ação terapêutica

A clorexidina tem papel fundamental na diminuição de doenças e agravos à saúde bucal.

Como, por exemplo, no período de cicatrização após cirurgias orais ou periodontais, em terapias de ulcerações aftosas e de estomatite protética, de gengivite úlcero-necrosante aguda, de fraturas de mandíbula e maxila.

Nestes casos indica-se o uso de soluções para bochecho.

Também se utiliza esse antimicrobiano em casos de marsupialização de cistos odontogênicos. A concentração utilizada para a irrigação é de 0,12%.

Tratamento da gengivite

É muito comum sua utilização nestes casos, por se tratar de um agente antimicrobiano, é dispersor da placa já formada e inibidor da recolonização da placa bacteriana. Reduz o número de bactérias na saliva, evitando-se o desencadear do quadro inflamatório da gengivite.

Para estes casos indicam-se bochechos das soluções de 0,12% a 0,2%. Os bochechos devem durar 1 minuto, duas vezes ao dia, com 15ml por 7 a 15 dias.

O ideal é estar associado ao tratamento periodontal e instruções de higiene.

Em pacientes ortodônticos com gengivite estabelecida, a combinação de remoção mecânica da placa e o uso da clorexidina a 0,12% mostraram redução de 64% no índice de placa, 61% no índice de gengivite e 77,2% no de sangramento gengival.

Endodontia

Utiliza-se a clorexidina no preparo químico-mecânico, para a irrigação ou/e como medicação intracanal.

Quais são os riscos e contraindicações do uso da clorexidina?

Não recomendada para uso em crianças e adolescentes. Indica-se seu uso a partir de 18 anos.

Alerte o paciente que este produto não é um enxaguante bucal comum.

Assim como informar que durante seu uso pode ocorrer a alteração do sabor dos alimentos, o aparecimento de manchas escuras nos dentes, língua ou restaurações. Por este motivo não se indica um uso prolongado do produto.

Com a profilaxia é possível remover as manchas.

Conclusão

As atividades diárias do dentista serão desenvolvidas com maior segurança através do conhecimento das propriedades e o uso da clorexidina.

Voltada à prevenção e ao tratamento de doenças, além de minimizar os riscos de infecção cruzada à equipe odontológica e ao paciente. O uso desta substância é indicado para prevenção, diminuição dos riscos de infecção cruzada, tratamento de doenças bucais como auxiliar na cicatrização, tratamento de gengivite, durante o tratamento endodôntico.

Para minimizar os efeitos colaterais o seu uso não dever ser prolongado, sendo utilizada por no máximo 15 dias para bochechos.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.