Doenças odontológicas

Candidíase na língua: causa, diagnóstico e tratamento

candidíase na língua

A candidíase na língua é uma doença causada pela Candida albicans, um tipo de fungo que vive naturalmente em nosso corpo, mas quando prolifera na boca, causam sintomas e grandes desconfortos. Dito isso, esse artigo tratará tudo sobre essa doença que pode acometer pessoas de todas as idades e informar acerca do diagnóstico e tratamento.

O que causa a candidíase na língua? 

Primeiramente, como foi dito, a doença é causado pelo crescimento excessivo do fungo, Candida albicans na boca e na língua.

Geralmente, o sistema imunológico e a presença de bactérias benéficas na boca ajudam a controlar o crescimento desses fungos. No entanto, algumas condições podem desequilibrar essa flora bacteriana e favorecer o crescimento excessivo de Candida.

Alguns fatores podem aumentar o risco de candidíase na língua, como:

  • Uso prolongado de antibióticos
  • Diabete
  • Uso prolongado de corticoides
  • Uso de próteses dentárias mal ajustadas
  • Uso de inaladores para asma sem enxaguar a boca adequadamente
  • Sistema imunológico enfraquecido, como em casos de HIV/AIDS, câncer, transplantes de órgãos ou uso de imunossupressores
  • Xerostomia

Além disso, outros fatores, como a gravidez, uso de anticoncepcionais hormonais e hábitos de higiene bucal inadequados, também podem aumentar o risco de candidíase oral.

Como é transmitida a candidíase oral? 

Encontra-se com frequência o fungo da candidíase na boca e na garganta de muitas pessoas sem causar problemas. Sendo assim, a saliva pode atuar como um meio de transmissão da infecção de uma pessoa para outra, que, se estiver com sistema imunológico comprometido, apresentará sintomas mais visíveis.

Isso pode acontecer por meio de beijos, compartilhamento de utensílios de cozinha, copos, escovas de dentes ou outros objetos que possam estar contaminados com a saliva de uma pessoa infectada.

Sintomas da candidíase na língua:

Os sintomas da candidíase na língua podem variar, mas incluem:

  • Manchas brancas ou amareladas na língua, que podem se espalhar para outras partes da boca, como gengivas, bochechas e garganta
  • Dor na língua e nas áreas afetadas
  • Vermelhidão e inchaço no local 
  • Sensação de queimação na língua e nas áreas afetadas
  • Gosto ruim na boca ou alteração do paladar
  • Dificuldade em engolir

É importante pontuar que os sintomas, geralmente, são mais intensos em pessoas com sistemas imunológicos enfraquecidos ou que tomam medicamentos que suprimem o sistema imunológico. 

Além disso, em casos graves, a candidíase na língua pode se espalhar para outras partes da boca, incluindo gengivas, bochechas e palato, e pode até mesmo se espalhar para outras partes do corpo em pacientes com imunidade comprometida.

Tratamento candidíase oral

O tratamento da candidíase na língua depende da gravidade dos sintomas e da causa subjacente da infecção. Em alguns casos, o tratamento pode levar algumas semanas ou meses para ser completamente eficaz, mas, no geral, as orientações e o tratamento incluem:

Antifúngicos tópicos:

O dentista pode prescrever medicamentos antifúngicos em forma de loções, cremes ou soluções para aplicar diretamente nas áreas afetadas. Exemplos de antifúngicos tópicos incluem nistatina, miconazol e clotrimazol.

Antifúngicos orais: 

Em casos mais graves ou persistentes, o dentista deve prescrever medicamentos antifúngicos em forma de comprimidos ou cápsulas para serem tomados por via oral. Como exemplo, tem-se fluconazol, itraconazol e voriconazol.

Tratamento da causa subjacente:

Se a candidíase na língua estiver sendo causada por uma condição subjacente, como diabete ou uso de antibióticos, o tratamento dessas condições pode ajudar a controlar a infecção.

Mudanças na dieta

É importante evitar alimentos açucarados ou fermentados, pois podem alimentar o crescimento de fungos. Para mais, deve-se e aumentar a ingestão de alimentos ricos em probióticos, como iogurte, podem ajudar a controlar o crescimento de cândida na boca.

Como diagnosticar a candidíase na língua? 

O dentista pode diagnosticar a candidíase na língua mediante um exame clínico e, se necessário, de testes adicionais.

Durante o exame, o dentista deve observar a aparência da língua e da boca e perguntar sobre os sintomas que o paciente está experimentando e sobre o histórico médico e odontológico do paciente

Além disso, alguns profissionais da saúde podem confundir a candidíase com outras condições, pois possuem alguns sintomas parecidos, como:

  • Leucoplasia: é um tipo de lesão que causa manchas brancas na boca, mas não é causada por fungos. Frequentemente, associam a leucoplasia ao tabagismo e ao uso excessivo de álcool.
  • Líquen plano oral: é uma doença inflamatória crônica da mucosa oral, que pode causar lesões brancas, vermelhas ou mistas na boca, além de dor e sensibilidade.
  • Herpes oral: é uma infecção viral causada pelo vírus herpes simplex. Os sintomas podem incluir bolhas dolorosas, que podem se romper e formar feridas na boca e nos lábios

Logo, o profissional também pode realizar um teste para confirmar o diagnóstico de candidíase na língua e não confundir com outros possíveis fungos. Um método comum é a coleta de amostras de tecido da língua ou da boca para análise em um laboratório. Nessas amostras devem examinar sob um microscópio para verificar a presença de Candida albicans.

Em alguns casos, o dentista pode encaminhá-lo a um médico especialista em doenças infecciosas para um diagnóstico mais preciso e tratamento adequado, especialmente se houver uma suspeita de uma causa subjacente mais grave.

Como prevenir a candidíase

Por fim, é importante que o dentista oriente seu paciente com objetivo de prevenir novas contaminações pelo fungo. Sendo assim, as orientações são voltadas para a melhora do sistema imunológico do paciente e a prevenção da transmissão, como:

  • Manter uma boa higiene oral: escovar os dentes regularmente e usar fio dental, irá remover restos de alimentos e placas bacterianas que podem promover o crescimento excessivo de Candida albicans.
  • Evitar o uso excessivo de antibióticos e corticoides: pois esses medicamentos podem afetar o equilíbrio normal de fungos e bactérias na boca, o que pode aumentar o risco de infecções fúngicas.
  • Evitar o tabagismo e o consumo excessivo de álcool: esses hábitos podem enfraquecer o sistema imunológico, aumentando o risco de infecções, incluindo a candidíase oral.
  • Manter um estilo de vida saudável: uma dieta equilibrada, exercícios regulares e um sono adequado podem ajudar a fortalecer o sistema imunológico e reduzir o risco de infecções.
  • Não compartilhar objetos pessoais, como escovas de dentes, copos e talheres, com outras pessoas. Isso irá evitar que uma pessoa contaminada transmita o vírus por meio da saliva.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.