Doenças odontológicas

Bolinhas na garganta: tudo que você precisa saber

Bolinhas na garganta

Neste texto vamos descrever tudo que você precisa saber a respeito do cáseo amigdaliano ou como os pacientes muitas vezes se referem: bolinhas na garganta. Confira!

O que são as bolinhas na garganta ou cáseo amigdaliano?

O cáseo amigdaliano, também chamado de tonsilite ou amigdalite crônica caseosa.

Este se forma nas criptas amigdalianas, normalmente quando o paciente apresenta uma diminuição do fluxo salivar ou descamação epitelial acima dos limites fisiológicos.

Sendo assim, no exame clínico é possível observar as perfurações existentes nas tonsilas, onde ficam alojados os cáseos.

Qual a aparência do cáseo amigdaliano?

Em suma, o cáseo amigdaliano são bolinhas na garganta, que formam uma massa viscosa amarelada de odor extremamente desagradável.

São expelidos durante a fala, tosse, espirros ou removidos manualmente.

Qual a origem do nome das bolinhas na garganta?

Seu nome deriva do latim “caseum”, que significa queijo, devido a sua semelhança com uma pequena “bolinha de queijo”.

Composição do cáseo amigdaliano

Sendo assim, o cáseo amigdaliano consiste em células epiteliais descamadas da mucosa oral, proteínas salivares e restos proteicos alimentares.

Portanto, as amígdalas se tornam locais propícios para proliferação de células epiteliais esfoliadas, detritos de queratina e partículas estranhas por conta da anatomia das criptas amigdalianas.

Por que as bolinhas na garganta apresentam odor tão desagradável?

Esta é uma pergunta frequente dos pacientes que sofrem com halitose causada pelos cáseos amigdalianos.

Portanto, os restos alimentares que ficam retidos na região das criptas amigdalianas servirão de substrato alimentar às bactérias anaeróbias proteolíticas presentes.

Então, ao final do metabolismo bacteriano, ocorre a produção de compostos de odor desagradável, chamados de Compostos Sulfurados Voláteis, gases derivados do enxofre.

As bolinhas na garganta podem ser a origem da halitose crônica

Sendo assim, estes gases, ao atingirem uma determinada concentração, dão ao hálito um cheiro característico de enxofre ou ovo estragado, constituindo-se em uma etiologia comum de halitose crônica

Sintomas da amigdalite caseosa

Portanto, os sinais e sintomas da amigdalite caseosa são relatados pelo paciente como uma sensação de desconforto ou irritação frequente de garganta.

Sendo assim, se caracteriza pela eliminação de cáseo amigdaliano, isolada ou associada a outros sintomas como:

  • Halitose: está presente em cerca de 77% dos pacientes com Tonsilite Caseosa Crônica.
  • Sensação de corpo estranho
  • Tonsilite de repetição

Tais sintomas podem, ainda, ser acompanhados de hiperemia e hipertrofia das tonsilas palatinas, sem hipertermia, e geralmente desaparecem após a eliminação do cáseo.

Halitose tonsilar

Sendo assim, a Halitose Tonsilar é o termo utilizado de um modo mais amplo para descrever um odor desagradável na respiração exalada.

Portanto, a halitose gera um certo desconforto olfatório para os indivíduos afetados e aqueles com quem eles interagem, o que causa um grande transtorno, tanto social quanto psicológico.

Então, esta patologia apresenta elevada prevalência e impacto social negativo, sendo uma queixa comum em consultórios odontológicos.

É classificada como a terceira razão mais comum para visitar um dentista, após a cárie e doença periodontal. A prevalência mundial da halitose na população adulta varia de 22 a 50%.

Ocorrência

Em suma, a tonsilite caseosa pode ocorrer em qualquer idade, inclusive em indivíduos que nunca tiveram sintomas tonsilares.

Porém, ocorre também com grande frequência nas situações em que envolvem o aumento da descamação de células, como, por exemplo:

  • o ressecamento provocado pela respiração bucal
  • ronco
  • ingestão frequente de bebidas alcoólicas
  • uso de enxaguante bucal com álcool
  • aparelho ortodôntico
  • paciente que costumam mordiscar os lábios e bochechas ou dedos
  • pessoas com doenças respiratórias crônicas
  • disfunção das glândulas salivares
  • pacientes com refluxo gastroesofágico
  • fumantes

Sendo assim, o diagnóstico, tratamento e o acompanhamento são as três principais condutas que o cirurgião dentista deve considerar para poder conduzir o paciente com halitose tonsilar.

A importância da prevenção

Sendo assim, o controle na formação dos cáseos amigdalianos é um importante instrumento de prevenção às doenças.

Portanto, as bactérias presentes neste processo são as mesmas da saburra lingual e estão associadas com a etiologia de algumas doenças como:

  • Gastrite
  • Pneumonia
  • Doença periodontal

Então, indica-se ao paciente que realize rigorosamente a higienização bucal logo após cada refeição. Uso do fio dental e ingestão de bastante água durante o dia.

Órgão linfo epitelial com importante função imunológica

As tonsilas palatinas são um órgão linfo epitelial com importante função imunológica, sendo assim, deve ser preservado, portanto, passaram a ser desenvolvidos métodos conservadores.

Portanto, a inibição da formação dos cáseos e consequente manutenção das tonsilas palatinas, passa a ser o mais indicado sempre que possível.

Tratamento para os casos de bolinhas na garganta

Normalmente não necessita de tratamento. Após expelir os cáseos o desconforte sessa.

Portanto, há ainda a possibilidade de remover mecanicamente os cáseos por meio da compreensão das amígdalas ou com uma espátula.

Sendo assim, os tratamentos propostos para os cáseos amigdalianos são para casos mais severos. Estes, até o momento clínicos, através do uso de anti-inflamatórios, de gargarejos com soluções salinas e anti-sépticas.

Quando não se atinge resultados satisfatórios, pode-se optar por tratamento cirúrgicos, mediante tonsilectomias radicais ou conservadoras convencionais, ou assistidas por laser.

Criptólise a laser

Portanto, uma opção cirúrgica válida para o tratamento dos cáseos amigdalianos tem sido a criptólise a laser.

Este procedimento consiste na remoção de parte das criptas, conservando, porém, um remanescente das tonsilas palatinas.

Porém, os problemas que este método apresenta são, dependendo da técnica utilizada, por volatilização ou coagulação, ter um pós-operatório dolorido e o fato de poderem ser necessárias sucessivas intervenções cirúrgicas.

Uso de enxaguante bucal para a prevenção

Estudos relatam os efeitos positivos do uso de enxaguatórios bucais na prevenção da formação de cáseos.

Sendo assim, a saburra lingual, apresenta sua constituição e seu mecanismo de formação semelhante aos cáseos, portanto, as substâncias que atuam sobre a saburra lingual tem um efeito positivo também sobre os cáseos amigdalianos.

Conclusão

O cáseo amigdaliano, também é chamado de tonsilite ou amigdalite crônica caseosa. Essas bolinhas na garganta ocorrem nas situações em que envolvem o aumento da descamação de células.

Em suma, o cáseo amigdaliano apresenta-se como bolinhas na garganta, formandas por uma massa viscosa amarelada de odor extremamente desagradável. Estes cáseos podem ser expelido durante a fala, tosse, espirros ou removidos mecanicamente.

Normalmente não necessita de tratamento. Após expelir os cáseos o desconforte sessa. Porém, em casos mais severos pode ser realizado tratamento cirúrgico.

Ainda está em dúvida?

Faça o teste gratuito agora por 7 dias.